​O gosto de agosto - 10 dicas para o o retorno à escola

avatar de Vivian Wrona Vainzof
Vivian Wrona Vainzof

Agosto tem gosto de recomeço. Não é ano novo mas é a chance de repensar o caminho, corrigir a rota, se aprumar de novo. Volto das férias com frescura de ar puro. Desembarco do mês de julho sem quase tocar o chão, o pouso é lento. Ideias e planos se acumulam no pé da cama por algumas semanas, até que tudo reencontre seu lugar. Gosto assim.

Para as crianças, por outro lado, a retomada das aulas é um processo mais doloroso. Quase não há tempo e atenção para a readaptação à rotina, ao espaço e às pessoas, e menos atenção ainda para a “desadaptação” dos dias soltos, mais perto dos pais. Divididos entre a culpa e o alívio de vê-los outra vez ocupados, muitas vezes não conseguimos oferecer o amparo que as criança precisam para resolver, com tranquilidade, essa aterrissagem forçada.

Algumas atitudes dos pais podem ajudar as famílias nesse momento, para que vivam com suavidade, e sem tantas turbulências, o retorno à escola:

  1. Confiar na escola acima de tudo.
  2. Envolver os filhos no processo de retorno, organizando juntos o material e separando o uniforme, por exemplo.
  3. Restabelecer os horários e rituais de sono alguns dias antes do fim das férias.
  4. Retomar aos poucos a rotina extra-curricular, para não atropelar o recomeço.
  5. Encurtar as despedidas na chegada, facilitando a separação.
  6. Concentrar a atenção necessária para cada filho, que tem sua necessidades individuais em diferentes momentos.
  7. Assegurar o espaço de cada irmão para que não tenham que carregar o peso de cuidar dos outros; essa é uma responsabilidade dos adultos.
  8. Levar os pedidos da criança para o professor, tecendo novamente a ponte que os une na ausência dos pais.
  9. Estar por perto sempre que possível nos intervalos entre uma atividade e outra, para que o distanciamento familiar não seja tão repentino.
  10. Devagar com as cobranças. Relembrar as crianças aos poucos sobre suas obrigações, ajuda a incorporar as responsabilidades sem traumas.

Nota: As dicas foram inspiradas em um texto do site Ninguém Cresce Sozinho sobre o primeiro processo de adaptação da criança na escola.