Centro Histórico de Porto Alegre

O Centro Histórico de Porto Alegre é onde iniciou a história da própria cidade. Foi ali que 60 casais de portugueses chegaram no ano de 1752 e iniciaram um movimento de urbanização, que teve como seu primeiro alvo a atual Praça da Matriz, perto da qual todos queriam viver pois ficava próxima ao porto.

Aos poucos foram chegando outros colonos e estes começaram a estruturar a então capital gaúcha, que em 1772 foi chamada Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais. Nesta época foram construídas a primeira Igreja da Matriz, o Palácio do Governador e nas próximas décadas já haviam comércio local, edificações, estaleiros, ruas e também começavam a tomar forma algumas das praças mais antigas de Porto Alegre, como a Praça XV e a Praça da Alfândega, onde atualmente acontece a Feira do Livro.

Com o tempo, foi construído uma casa de ópera - o Theatro São Pedro, o Mercado Público e a primeira estrutura médica da cidade, a Santa Casa de Misericórdia. Com o crescimento industrial e populacional, foi dada ênfase à modernização da cidade, que passou a ser vista como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul. De acordo com esta visão, o Centro recebeu muitas melhorias em infraestrutura, ao mesmo tempo que se desencadeava um intenso programa de obras para construção de prédios públicos imponentes, espaços culturais e novos palacetes como a Biblioteca Pública, o Museu Júlio de Castilhos e o Palácio Piratini.

No ano de 1981, com a criação da Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural iniciou-se um processo de estudo e resgate dos bens culturais de propriedade do Município de especial interesse histórico, social e arquitetônico. Também se reconheceu finalmente a existência do “Centro Histórico” como um núcleo urbano de interesse social e cultural específico do Rio Grande do Sul e assim iniciou-se importantes recuperações de edificações antigas como a Usina do Gasômetro, transformada em um centro cultural e a restauração do Chalé da Praça XV.

Porto Alegre , RS
Brasil
abrir no GoogleMaps
atualizado em:
por Simone T. Wainer