​A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda medidas para o retorno escolar

Vanessa Skilnik

Nesta semana, a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) divulgou a nota de alerta “COVID-19 e a volta às aulas”, apontando soluções ao desafio de retornar a atividade escolar em meio à pandemia. A entidade recomenda a volta gradual às aulas, de forma cautelosa, incluindo todas as precauções possíveis para minimizar a disseminação da infecção pelo SARS-CoV-2 nas escolas.

Conheça algumas das recomendações para o ambiente escolar preparadas pelos Departamentos Científicos de Imunizações e Infectologia da entidade:

  • Pais e professores devem procurar manter-se informados sobre a COVID-19 (modo de transmissão, sintomas da doença, medidas de prevenção) por meio de fontes confiáveis, evitando as fake news;
  • Crianças e profissionais da educação, se doentes, não devem frequentar a escola;
  • A escola deve oferecer diversos locais para lavagem de mãos, água e sabão, álcool em gel e higienizar frequentemente os recintos e superfícies;
  • A escola deve propiciar ambientes arejados, com aberturas de janelas, atividades ao ar livre devem ser estimuladas;
  • Cabe à escola evitar aglomerações, na entrada, saída de alunos ou intervalos, criando horários alternativos para as turmas;
  • Jogos, competições, festas, reuniões, comemorações e atividades que envolvam coletividade devem ser temporariamente suspensos;
  • Preferência à redução do número de pessoas no mesmo espaço e ao mesmo tempo (os alunos podem ser divididos em grupos que se alternem entre a atividade presencial e à distância);
  • O maior espaçamento entre os alunos dentro da sala de aula, idealmente com espaço mínimo de um metro entre as mesas, deve ser estimulado;
  • Ambientes devem ser desinfetados pelo menos uma vez ao dia, sendo que as áreas de maior circulação de pessoas e os objetos mais tocados (maçanetas, interruptores, teclados, etc.) com uso de solução de hipoclorito de sódio a 0,5% para limpar superfícies e de álcool a 70% para pequenos objetos);
  • Limpeza frequente dos bebedouros.

Medidas educativas a serem reforçadas

  • Higienizar as mãos frequentemente, especialmente antes e após as refeições e a cada ida ao banheiro (com técnica orientada pelo Ministério da Saúde):
  • Evitar o uso e reuso de lenços de pano;
  • Orientar para o uso de lenços descartáveis ou do antebraço (cotovelo dobrado) ao tossir ou espirrar;
  • Evitar tocar olhos, boca e nariz;
  • Orientar para que cada estudante traga e utilize sua própria garrafa de água, utilizando os bebedouros comuns apenas para encher essas garrafas novamente;
  • Proibir estudantes de beber diretamente do bebedouro;
  • Estimular uso de máscaras (contraindicado em crianças menores de dois anos) que devem ser trocadas a cada duas a quatro horas, ou antes, se estiverem sujas, úmidas ou rasgadas.

Confira a nota na íntegra

...

(Foto capa: Element5 Digital on Unsplash)