A Turma da Mônica no Sítio do Pica-Pau Amarelo

Vanina Pinheiro
Mauricio de Sousa em lançamento de livro da Turma da Mõnica
Mauricio de Sousa em lançamento de livro da Turma da Mônica

Auditório lotado e uma plateia ansiosa pelo encontro. As quase 200 senhas para participar do bate-papo com Maurício de Sousa foram distribuídas seis horas antes do evento e acabaram rapidamente. O pai da Turma da Mônica entrou sob aplausos, acenando e tirando fotos do público. Aos 83 anos de idade, ele esbanja simpatia, demonstra carinho, afeto e respeito por fãs e admiradores. O Sítio do Pica-Pau Amarelo é a segunda obra de Monteiro Lobato adaptada para livros da Turma da Mônica. E deve superar o sucesso do primeiro livro Narizinho Arrebitado, que já vendeu mais de 20 mil exemplares.

Em entrevista coletiva, Maurício revelou que a obra de Lobato despertou nele, quando ainda era criança, a paixão pelos livros: “Eu aprendi a ler com o gibi. Era a minha leitura predileta, durante alguns anos da minha infância. Até que caiu em minhas mãos os livros do Lobato. Aí eu descobri o mundo, um outro mundo. Um mundo onde havia ilustrações, logicamente, mas não eram histórias em quadrinhos. O jeito de contar histórias do Lobato me encantava. Era como se eu estivesse ouvindo minha avó contar história. Adorei, aprendi a ler livros com Lobato e depois não parei mais.

A obra de Monteiro Lobato entrou este ano em domínio público. Isso ocorre após 70 anos da morte do autor. O uso da obra passa a ser permitido sem a necessidade de pagamento de direitos autorais aos herdeiros. Cronista, escritor, editor, produtor, Monteiro Lobato é considerado um dos precursores da literatura infantil no Brasil. Suas obras para as crianças se caracterizam pelo estilo simples de escrita onde realidade e fantasia estão lado a lado. Para Maurício de Sousa, o relançamento da obra de Lobato com a Turma da Mônica é uma oportunidade histórica: “Essa mistura ( estilos, personagens e autores ) é uma soma. Uma soma linda, bonita e gostosa de usar, de utilizar para levar histórias, levar mensagens, levar diversidade, levar cultura para a criançada toda”, afirma.

A junção de dois grandes nomes do universo das histórias infantis promete seguir encantando gerações. Em O Sítio do Pica-Pau Amarelo de Maurício de Sousa, a Mônica virou Emília, a Magali entra na história como Narizinho e o Cebolinha como Pedrinho. Maurício relata não ter tido dificuldades na adaptação dos personagens: “Para nós desenhistas criativos, não é difícil. É uma brincadeira gostosa. Dá trabalho porque precisa fazer uma coisa legal, bacana, que se sustente. Mas deu certo, tá dando certo e quero fazer mais.

A adaptação literária foi feita por Regina Zilberman. Ela é pesquisadora, escritora, ensaísta e uma das principais estudiosas brasileiras de literatura infantojuvenil. Regina procurou manter ao máximo a integridade da obra de Monteiro Lobato. As adaptações foram poucas e sutis, principalmente para evitar o uso de expressões consideradas hoje racistas. “A minha tarefa foi trazer o Lobato na sua integridade. Eu acho muito importante chamar a atenção que ele está na sua integridade, ainda que adaptado. Ou seja, trazido para um contexto do século 21 sem uma interferência, sem uma alteração que desfigurasse o autor.”, afirma Regina. Para ela, o encontro das obras dos dois autores era natural pois elas possuem algo em comum: “tem um lugar onde o urbano do Maurício e o rural do Lobato se encontram, que é o mundo da fantasia.”

Desenhos em alto relevo para deficientes visuais

Um momento de bastante emoção foi a interação de Maurício de Sousa com crianças com deficiência visual convidadas pela Fundação Dorina Nowill. Maurício desenhou ao vivo personagens da Turma da Mônica, fez dedicatória e autógrafos. A criação passou então por uma impressora fusora de relevos táteis. A tecnologia permite fazer relevos nos traços desenhados e escritos no papel. A impressão em 3D permite que pelo tato, as crianças consigam identificar as formas, o que facilita a compreensão das palavras e desenhos. Cauã , de 8 anos, ganhou o desenho do Bidu com assinatura de Maurício. “Achei o desenho bonito, achei legal. Eu gosto muito do Cebolinha e adoro acompanhar as histórias da Turma da Mônica”, disse. Já a garota Letícia ganhou o desenho, mas quis também tocar no rosto de Maurício por alguns segundos para conhecê-lo. Com uma foto em sua rede social, Maurício afirmou, posteriormente, ter segurado a emoção.

Na mesma oportunidade foi anunciado o lançamento da série de livros da Turma da Mônica com sistema em braille que serão distribuídos em escolas muncipais de São Paulo. A publicação “Como Dorinha vê o Mundo” apresenta a realidade das pessoas com deficiência visual por meio da personagem cega Dorinha. Dorinha foi inspirada em Dorina de Gouvêa Nowill, fundadora da Fundação Dorina Nowill. Ela ficou cega repentinamente, aos 17 anos, em consequência de uma doença não diagnosticada.

Maurício de Sousa como Visconde de Sabugosa

No bate papo com a platéia, Maurício foi questionado sobre qual personagem do Sítio do Pica-Pau Amarelo seria se tivesse que entrar na história. A pergunta o pegou de surpresa e provocou risos: “Meu Deus do céu! Nunca me perguntaram isso na vida!”. Logo na sequência, ele respondeu: “Eu seria o Visconde Sabugosa. Ele é muito diferentão de todo mundo. É o mais sábio, é o sabidão de todas as histórias e é respeitado por isso também.”