Como ajudar seu filho a reconhecer e falar seus sentimentos!

avatar de Debora Hara Matalon
Debora Hara Matalon
Ricky Turner/Unsplash
Ricky Turner/Unsplash

Não é incomum uma criança começar a chorar, fazer birra, ficar nervosa e nós pais, não conseguimos entender o motivo de tanto escândalo. O choro vira briga, a briga vira castigo, o motivo continua desconhecido, e a criança fica se sentindo incompreendida. Nessas horas costumamos a focar no que aconteceu e discutir quem está certo ou errado e pouco falamos do sentimento por trás do ocorrido.

Se para nós adultos é difícil falar o que realmente precisamos ou sentimos imagine para eles. E quanto mais cedo ensinamos nossos filhos a transformarem o que pensam em palavras, melhor eles vão crescer e se relacionar. Mas para isso precisamos estar prontos para ajudá-los. Reconhecer o quão importante é expressar os nossos sentimentos, e partir daí, nomeá-los e explicar seus motivos, pode ser um bom começo: “Me sinto desapontada quando você não come verduras, eu queria muito que você crescesse forte e saudável”, ou ainda, “me sinto feliz quando você tira boas notas na escola, eu também valorizo muito seus estudos.”

Um cuidado especial para não julgar o sentimento do outro: “Você já é grande para ter medo de escuro.” Negando os sentimentos estamos fechando uma potente forma de comunicação. Nessa situação tente acolher, entender as necessidades e buscar juntos uma opção mais efetiva para ajudar seu filho a lidar próprias emoções.

Quando um desafio aparecer, questione, pergunte e tente investigar o que ele está sentindo. A pandemia é uma ótima oportunidade de explorar, como por exemplo, a festinha de aniversário do seu filho foi cancelada. Está aí uma grande chance de conversa. “Como você está se sentindo em não poder comemorar sua festinha como programado? Como você se sente não podendo chamar os seus amigos?” Quando nos interessamos e ouvimos tentando compreendê-lo, mostramos que nos importamos com os sentimentos.

Sentimento reconhecido é hora de entender as suas necessidades, e o que você pode fazer para que ele se sinta melhor. Pode ser um consolo, uma explicação, ou uma nova alternativa. Para isso seja curioso, pergunte para seu filho como poderia ajudá-lo a se sentir melhor, dê alternativas e descubra, com ele, o melhor caminho. No final vocês vão ter fortalecido a relação, se conhecido melhor e encontrado uma nova maneira de se comunicar.