Descomplicando e turistando: Amsterdam com crianças

avatar de Elisa Roorda
Elisa Roorda

Esta semana, em conversas com a comadre que acabou de voltar de uma temporada morando na Europa, ficamos refletindo sobre como a gente consegue complicar a vida. Por que mesmo criamos tantas necessidades? E depois ainda contratamos um monte de gente para cuidar destas necessidades?

Quando passamos longas temporadas em lugares diferentes percebemos que tudo pode ser de outro jeito. Não só as nossas necessidades como a forma como lidamos com elas. Essa é a riqueza de viajar por aí e dar de cara com tantas formas de se viver. Elas podem nos inspirar, nos fazer pensar, repensar, simplificar e, quem sabe, até nos ajudar a quebrar alguns paradigmas se realmente colocarmos algumas mudanças em prática. E assim vamos descomplicando.

E seguindo na linha descomplicada, resolvemos fazer tudo de bike por aqui. Não só porque somos uma família que AMA bicicleta, como realmente é a melhor forma de transporte em Amsterdam. Tem ciclovias pela cidade toda, é tudo plano, é tudo perto e nada leva mais do que 10 minutos. Todo mundo, de todas as idades, de todos os tipos, vai de bike. As bikes são de cidade, mais pesadas, algumas freiam pedalando pra trás, então leva um tempo para se adaptar, mas nada de outro mundo. O metrô e o tram também são ótimas opções pra quem não quer se aventurar com a magrela, mas levam mais tempo, não tem aquele ventinho no rosto e não ajudam a criançada a gastar aquela energia extra para dormirem a noite que é uma beleza.

Fizemos muitos passeios nas últimas duas semanas, alguns mais locais e outros mais turísticos, mas sempre tentando encaixar um parque no meio para dar aquela respirada. Até porque aqui é bem fácil dar de cara com um parque no meio do caminho. Vou deixar a dica dos programas que achamos mais legais. E algumas fotos que mostram um pouquinho (as mais legais são do Flavio, meu marido, que registra muuuuuito melhor que eu):

Van Gogh Museum com picnic no gramado do Museumplein

Não tem como vir pra Amsterdam e não dar um pulo neste museu. É o único que precisa comprar os ingressos com antecedência, mas conseguimos comprar de um dia para outro e foi muito gostoso revê-lo com as crianças e amigos do Brasil que estavam por aqui. Logo na entrada deram pra as crianças um bloquinho com uma “gincana” que elas precisavam responder ao longo da visita e eles se divertiram muito. Logo depois compramos uns sushis e uns sandubas em um mercado Albert Heijn (que é uma rede bem conhecida em Amsterdam e tem um pertinho) e comemos ali mesmo, no gramado em frente ao museu (Museumplein).

Stedelijk Museum e passeio no Vondelpark

Fica na Museumplein também, ao lado do Van Gogh Museum. É o museu de arte moderna e tem obras bem importantes e icônicas. As obras podem ser menos interessantes para os pequenos, mas o legal desse museu é que eles tem um “Family Lab”, onde sempre rola alguma atividade legal para as famílias. Além da lojinha na saída, que é uma das mais legais e tem uma curadoria maravilhosa de livros, brinquedos e objetos contemporâneos.

Paramos depois para um almoço delicioso no “Blushing – healthy food coffe”, que fica ali do lado, e logo seguimos para o Vondelpark, que é o parque mais central e turístico de Amsterdam e fica pertinho também. O parque é delicioso para pedalar, relaxar e tem um brinquedo enorme de madeira, que mais parece uma casa na árvore com pontes e tuneis, e que as crianças piraram.

Rijksmuseum

Museu de arte e história que abriga uma coleção impressionante de pinturas da “Dutch Golden Age” (Rembrandt, Vermeer, Frans Hals…). Maravilhoso também! Mas vá direto para o Level 2, onde estão os highlights e a pintura mais famosa de Rembrandt: “Nachtwacht”. Porque a gente nunca sabe até quando as crianças vão aguentar. Outro ponto alto do museu para as meninas foram as casinhas de boneca daquela época. Algo realmente de outro mundo. Na saída, além daquela lojinha típica dos museus, que são irresistíveis, eles ainda tem uma livraria com uma boa parte dedicada a livros de arte infantis.

E saindo do museu sempre rolam músicos dando um show de musica clássica, logo ali na calçada. Vale assistir com os pequenos e depois ir para o jardim do museu, que tem uma fonte interativa e que pode ser a maior diversão em um dia quente.

Nemo Science Center

Museu de ciências, projetado pelo famoso arquiteto italiano Renzo Piano, onde tudo pode e deve ser tocado. Imagina a felicidade das crianças. É super interessante, divertido, mas intenso! Vale uma pausa no terraço da cobertura, que tem muita brincadeira com água no verão, um restaurante/café super gostoso e uma vista maravilhosa da cidade.

Passeio de barco

Amsterdam é cheia de canais e vemos barcos circulando o tempo todo. Não é exatamente um meio de transporte pela cidade, mas dá pra ver boa parte dela de barco. Tem muitos cruzeiros turísticos, mas resolvemos alugar um barco só nosso. Vale ir de biquíni e levar um picnic, como fazem os holandeses.

Amsterdamse Bos

O Amsterdamse Bos, ou Amsterdam Forest é algo surreal. É um parque enorme e mais selvagem, que fica a 20min pedalando de onde estamos. É tão grande que vale voltar mais de um dia se quiser aproveitar tudo que ele tem. Dá para pedalar muito, nadar nas tantas piscinas e lagos, aproveitar o circuito de arvorismo, parar em um dos tantos cafés e até comer uma típica “pannekoek”, a panqueca holandesa, em um restaurante que fica em uma fazenda antiga. Tudo isso dentro do Amsterdamse Bos.

Programa de meninas

Num dia em que ficamos só as meninas, fomos até uma loja que deixou as duas completamente descontroladas. Elas já vinham do Brasil com esta mania de fazer casinhas e mini objetos para decorá-las. Então, quando demos de cara com a “The Mouse Mansion”, não preciso dizer que passamos horas lá dentro vendo todos os detalhes das casinhas dos ratinhos. E desta vez saímos com algumas comprinhas. Porque tudo será gasto em horas e horas de oficinas de casinhas ;-)

A’Dam Tower

Prédio super alto com um mix de restaurantes, cafés, hotel, escritórios, e um observatório com uma vista linda de toda a cidade. Fora o Look Out, que é o balanço mais alto da Europa, que balança a 100m. do chão. Fizemos o passeio com amigos brasileiros e valeu muito! As crianças adoraram o frio na barriga do balanço e o almoço no restaurante também estava delicioso.

Pijp

É um dos bairros mais bacanas de Amsterdam. Cheio de feirinhas, lojinhas, cafés, restaurantes e, lógico, também tem um parque: o Sarphatipark.

Vale se perder pelas ruas, entrar nos cafés e relaxar no parque.

Dicas de lugares bacanas que cruzaram nosso caminhos nas caminhadas:

  • Avocado Show: para quem ama avocado como nós
  • The Zaailing: para quem ama o mundo Waldorf de brinquedos, pintura e trabalhos manuais
  • Albert Cuypmarket: adoro ver feirinhas de outros países, principalmente pelas comidas. Aqui vale comer um “stroopwafel” de verdade
  • Massimo gelato: um achado no meio dessa onda louca de calor por aqui

Leia também
Viajando leve, com tempo e presença: Amsterdam com crianças
O começo de tudo

por Elisa Roorda em viagem.

Elisa Roorda, 39 anos. Mãe orgulhosa de 3 criaturinhas: Nina, Sofia e Martin. Publicitária pela ESPM, e dona de uma carreira abandonada na área de marketing esportivo. Fundadora do Mamusca, um espaço mágico que segue funcionando nas mãos de outras fadinhas. Pregadora do livre brincar, da conexão, da presença, do encantamento pelo mundo. No momento viajando o mundo com toda a trupe.