Dicas de viagem: Israel com as crianças

Lina Brochmann

Engana-se quem pensa que Israel é um destino de viagem estritamente religiosa. Além de toda a importância histórica para judeus, cristãos e muçulmanos, o país oferece altíssima gastronomia, muita arte, praias deslumbrantes, atrações e infra-estrutura incríveis para crianças. Além disso, os custos terrestres em Israel são inferiores aos da Europa.

Passei 10 dias inesquecíveis com a minha família (crianças com 8, 5 e 3 anos) entre Tel Aviv e Jerusalém e vou compartilhar aqui algumas dicas importantes.

Planejamento
Em Israel, os guias de turismo são extremamente profissionais (passam por formação superior para exercer a profissão!) e há boas opções de empresas especializadas em atender o turista brasileiro. Eu e meu marido já conhecíamos o país mas como não tínhamos nenhuma informação sobre as atrações infantis, contratamos uma agência chamada Adamá Israel (+972 52-858-6425, info@adamaisrael.com) e foi a melhor coisa que poderíamos ter feito! Cada cantinho do país revela histórias incríveis e sozinhos teríamos deixado passar muita informação. Além disso há detalhes locais como feriados religiosos que podem interferir na programação se não estivermos bem informados.
Como as distâncias são curtas, optamos por ficar todo o período acomodados no mesmo hotel. A escolha foi pelo Sheraton de Tel Aviv, um bom hotel em ótima localização com restaurantes, comércio no entorno, boa piscina e de frente para a praia. Alugamos um carro por todo o período e fizemos passeios de bate-volta para Jerusalém, Cesaréia, Mar Morto e visita a um Kibutz.

Praia de Tel Aviv
Praia de Tel Aviv

Passeios imperdíveis
Apesar de muito pequeno (o país todo tem o tamanho do estado de Sergipe) e de estar localizado em uma região desértica, as atrações turísticas são praticamente infinitas. É muita história e tão pouco espaço! O roteiro varia de acordo com o interesse pessoal, podendo ser mais voltado a religiosidade, à tecnologia, cultura e/ou gastronomia. Por isso reforço a importância da contratação de um guia de turismo! Destaco aqui os programas que mais curtirmos no no eixo Tel Aviv-Jerusalem:

  • Visita guiada à cidade velha, que encanta pela diversidade e espiritualidade. A Via Sacra, o Santo Sepulcro, o Muro das Lamentações e a Esplanada das Mesquistas são paradas obrigatórias, além de um passeio para compras no tradicional “shuk” (mercado) árabe.
  • O “Yad Vashem”, ou Museu do Holocausto, é imperdível. Avalie a idade das crianças pois apesar de a abordagem do museu não ser feita para chocar, o assunto é pesado.
  • Museu de Israel, um dos maiores do mundo em arqueologia bíblica e onde estão guardados os Manuscritos do Mar Morto.

Tel Aviv:

  • Jaffa, a cidade de 3.000 anos de história que deu origem a Tel Aviv, com suas ruelas de pedra super charmosas, atelies de arte e porto antigo.
  • Hatachaná”, antiga estação de trem que foi recentemente revitalizada e transformada em um complexo com diversos restaurantes, lojas bacanas e um lindo parque.
  • “Shuk Hapishpishim”, o Mercado das Pulgas.
  • “Shuk HaCarmel”, uma feira de rua com frutas, verduras e especiarias super tradicional.
  • Feira na rua “Nachalat Biniamim” (normalmente às terças e sextas-feiras), com artesãos diferenciados e um astral super bacana.
  • Museu de Arte Contemporânea, para quem se interessa pelo assunto.
  • Museu Eretz Israel, que conta a história da criação do Estado de Israel, bem didático inclusive para as crianças.

Tel Aviv merece um capítulo à parte. Uma cidade jovem, democrática, predominantemente laica e com forte cultura de praia que lembra bastante o Rio de Janeiro; muita arte, cultura e diversidade que surpreende quem viaja à Israel com a expectativa de encontrar “somente” história e espiritualidade. Se possível reserve um ou dois dias para curtir a cidade e a belíssima orla sem muito compromisso.

Alimentação
Os israelenses comem muita fruta, salada e pães, além do clássico homus, falafel, pita e shwarma. A gastronomia tem forte influência do oriente médio e é uma delicia! Não tivemos problemas com as crianças - pelo contrário, comeram super bem!
Há restaurantes super estrelados, inclusive com filiais em na Europa. A maior parte fica em Tel Aviv, destaque para Messa, Herbert Samuel, Shila e Topolopombo . Em Jerusalem o Machneyuda é imperdível. Tiramos uma noite off, sem crianças (ficaram com uma babysitter no hotel), para sair a noite e foi uma delicia!

Clima
Nos meses de julho e agosto faz muito calor, tipo 40 graus. Tem ar condicionado por tudo, mas muitos passeios são ao ar livre e se você é calorento como eu, melhor evitar o período. Fomos no final de setembro e os dias estavam ainda quentes, com máxima 30 graus. Deu para aproveitar bastante a praia - mar quentinho, areia fininha, uma delicia!! - e a noite estava agradável. Os meses mais frios são dezembro e janeiro, quem tem mínima de 6 e máxima de 15 graus; o inverno é a época de chuvas.

Crianças
Israel é o país das crianças! Tem parquinhos por tudo: na praia, no shopping, no aeroporto e claro, nos lindos parques e praças. São os playgrounds mais espetaculares que já vi! As pessoas são muito atenciosas e receptivas aos pequenos, vê-se crianças por toda parte. Os restaurantes tem menu kids e os museus oferecem programação infantil. Por falar em museu, não deixe de ir no Children Museum em Holon (cerca de 25 minutos de Tel Aviv) - veja com antecedência a programação e compre ingressos antecipadamente.

Parquinhos incríveis por tudo!
Parquinhos incríveis por tudo!

Animou para encarar a viagem? Planeje-se com calma e, como diriam os locais, “yala”!