Dicas imperdíveis para programadores mirins!

Claudia Olivieri

Seu filho gosta de tecnologia? Então que tal aproveitar o tempo livre para utilizá-la a seu favor, desenvolvendo novas habilidades? O músico e artista visual Felipe Julián, conhecido como Craca - que também é pai, listou 5 canais que vão ajudar a despertar o lado programador das crianças. Bora conferir por onde começar?

1 – Doodle

Trata-se de um Doodle da Google feito justamente em homenagem aos 50 anos de invenção da linguagem de programação para crianças chamada LOGO onde, através de logic blocks (blocos lógicos sortidos que se encaixam e representam funções matemáticas) a criança controla um coelhinho que come cenouras. O cenário pode parecer bem infantil mas garanto que adolescentes vão aderir fácil à proposta desafiadora. Começa muito fácil e evolui para níveis de dificuldade que propõe mais de uma resolução onde se pode treinar a percepção do problema algorítmico e assim buscar a linha de programação mais breve que dê conta do desafio. Só neste joguinho simples temos realmente muitos elementos da matemática envolvidos e a possibilidade de nos relacionar com eles a partir da intuição e ou da experimentação prática.

2- Swift Playgrounds

Na Appstore tem um conjunto de jogos chamados Playground que, de forma muito parecida ao exemplo anterior, desafiam a criança a atingir um objetivo simples, usando linhas de comando digitado. Isto é... não são mais logic blocks mas sim uma linguagem de programação escrita que vai se complicando a cada fase. Semelhante ao que se usa para um Arduino (plataforma de prototipagem eletrônica open-source que se baseia em hardware e software flexíveis e fáceis de usar), por exemplo. Textos em inglês, talvez precise de ajuda de um adulto. Baixe e jogue

3 - Makey Makey

Hardware criativo para fins educacionais. Se eu tivesse conhecido isso na minha infância eu não teria virado adulto! É a coisa mais legal do mundo. Você cria interfaces reais para controlar coisas no computador. E cria utilizando frutas, sucata, papel e lápis grafite, água, o que a criatividade permitir. Trata-se de um kit que lembra muito um Arduino, mas o que ele faz é emular as conexões de um teclado e um mouse. Você conecta esse kit na USB do computador e em seguida pluga nele qualquer material condutivo, seja orgânico ou metálico. A partir disso, pode tocar um piano de bananas, uma bateria de legumes, jogar um jogo qualquer num controle desenhado no papel e por aí vai. O Kit está a venda pela internet.

4- SketchUp

O SketchUp é um programa gratuito para criar maquetes 3D. É um software profissional. Não é para crianças. Mas joga ele na mão da criançada pra ver o que rola! Altamente intuitivo e sem matemática aparente, você constrói usando o mouse, casas, cidades, objetos em 3D. Dá pra entender como uma fase II do Lego. Ou uma evolução técnica do Minecraft. A medida em que a criança vai querendo fazer coisas mais complexas, precisa planejar melhor os processos e achar soluções criativas.

5- Google Earth

Bota a criançada para dar um rolê no planeta Terra. Sabe o street view? Sabe o Maps? Então, são partes de um projeto maior da google que envolve mapear em 3d todo o planeta Terra. E a Lua. E Marte. Sim! Dá pra visitar em 3D a Lua e Marte também! É meio inacreditável, mas através de satélites e aviões, os caras escanearam toda a superfície desses 3 corpos celestes e aplicaram em modelos 3D que consideram o relevo. Você pode visitar Marte mesmo! No caso da Terra, na maior parte das cidades, os prédios e construções estão montados em 3D também. Então é como um simulador de voo. E a gente descobre que o planeta é muito lindo mesmo. Produz um tipo de paz interior como a de quem voasse vendo as cordilheiras. Dá pra programar percursos automáticos e renderizar em vídeo. E grátis!

  • Felipe Julián, o Craca Beat, é um artista visual que teve obras apresentadas em diversas mostras em instituições como EAC (Uruguay), Museu Bispo do Rosário (RJ), Santander Cultural (PE), Casa França Brasil (RJ), Bienal de Arquitetura, BienalSur, galerias de arte e SESCs. Como músico e beatmaker, já esteve no lineup de alguns dos principais festivais brasileiros e pôde realizar diversas turnês internacionais tendo tocado na Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Noruega, Argentina, Irlanda do Norte, República Tcheca e Chile.