O contato pele a pele entre recém-nascidos e mães

Vanessa Skilnik

Um novo estudo da University College London demonstra que o contato pele a pele entre recém-nascidos e mães afetam como os bebes reagem à dor.

Um grupo de pesquisadores publicou no “European Journal of Pain” os resultados de uma pesquisa que identificou mais atividades no cérebro de recém-nascidos em reação à dor quando a mãe os tocava através de roupas, do que sem roupas. O autor da pesquisa, Dr. Lorenzo Fabrizi, disse: “Descobrimos que quando o contato com o bebe é pele a pele, o processamento cerebral em resposta à dor é amortecido e o cérebro também usa um caminho diferente para processar sua resposta à dor. Embora não possamos confirmar se o bebê realmente sente menos dor, nossas descobertas reforçam o importante papel do toque para os recém-nascidos.”

O estudo envolveu 27 bebês, de 0 a 96 dias de idade, incluindo prematuros, na Universidade College London Hospitals. Os pesquisadores mediram a resposta ao provocarem uma dor através da coleta de sangue (necessária) usando eletrodos EEG no couro cabeludo. Em alguns casos os bebês eram segurados com toque direto (usando uma fralda, contra o peito da mãe), em outros pela mãe com roupas ou deitados em um berço ou incubadora.

Segundo a professora Rebecca Pillai Riddell (Departamento de Psicologia da Universidade de York, Canadá), a resposta à dor foi amortecida quando houve contato direto com a pele da mãe. A dor pode ser a mesma, mas como o cérebro do bebê processa e reage a essa dor diferentemente de quando não há contato. “Nossas descobertas apoiam a noção de que segurar um bebê recém-nascido contra sua pele é importante para o seu desenvolvimento.”

Outros estudos descobriram que a importância do toque direto, mas não investigaram a resposta cerebral. No presente estudo, as respostas cerebrais dos bebês não só foram amortecidas no grupo pele a pele, mas também seguiram uma via neural diferente. Outra responsável pelo estudo, a Dra Laura Jones, conta: “Os cérebros de recém-nascidos têm um alto grau de plasticidade, particularmente aqueles nascidos pré-maturos, e seu desenvolvimento é altamente dependente de interações com seus pais. Nossas descobertas podem dar novas pistas sobre como os bebês processam as dores”.

“Pais e médicos sabem há muitos anos o quão importante é o cuidado com a pele para bebês na UTI Neonatal. Agora conseguimos demonstrar que isso tem uma base neuro fisiológica sólida, o que é uma descoberta emocionante.

Acesse o estudo