O que o Setembro Amarelo tem a ver com nossas crianças

Vanina Pinheiro

Os efeitos da pandemia na saúde mental das crianças tem sido objeto de estudos. Mas não precisamos esperar pelas conclusões dos mesmos para agir desde agora e evitar que o estado de tristeza e desânimo que consome a energia de muitas famílias e de crianças se prolongue para um estágio mais avançado impactando negativamente no bem-estar dos lares.

A depressão é uma das principais causas que levam ao suicídio e ela é cada vez mais comum entre as crianças. Embora seja raro, as crianças podem apresentar um comportamento suicida e, por isso, qualquer sinal ou ameaça nessa faixa etária deve ser considerado.

Neste ano de pandemia, o problema agravou-se. A campanha Setembro Amarelo de prevenção ao suicídio reforça o alerta. O suicídio é a principal causa de morte entre os jovens de 15 a 29 anos, atrás apenas de acidentes de trânsito. Segundo a pesquisa divulgada em 2019 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada 40 segundos, uma pessoa tira a própria vida. No Brasil, entre 2011 e 2017, foram registrados 80.352 óbitos por suicídio, dos quais 27,3% ocorreram na faixa etária de 15 a 29 anos.

Se para prevenir o suicídio, precisamos prevenir os transtornos mentais, que tal um olhar mais atento para buscar identificar os problemas que podem surgir ainda na infância? O Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção ao Suicídio disponibiliza um material educativo muito didático para ajudar pais, educadores e adolescentes a lidar com as questões pertinentes à depressão, à ansiedade e ao suicídio.

As cartilhas explicam conceitos, causas, circunstâncias com dados e infográficos. Há também orientações sobre como abordar o assunto, como identificar o problema, como buscar ajuda, como conversar, o que evitar fazer, enfim, é um guia completo para encaminhar uma solução.

Especialistas chamam a atenção para sinais que indicam a hora de buscar ajuda. Entre eles, se a criança ou adolescente apresenta:

  • Tristeza persistente
  • Preferir ficar isolado
  • Perder o interesse por atividades que gostava antes
  • Irritação, agressividade mesmo sem motivo, humor depressivo
  • Tédio constante
  • Diminuição ou aumento das necessidades de sono
  • Dificuldade de raciocínio ou de concentração
  • Desânimo
  • Falta ou excesso de apetite
  • Sensação de falta de energia
  • Sentimento de culpa
  • Baixa autoestima

Promover o bem-estar e a saúde é a melhor forma de prevenir a depressão e o suicídio. Ter saúde mental não é apenas estar livre de doenças, mas sim que o indivíduo goze de bem-estar físico, mental e social. Para que isso possa ocorrer, diferentes atitudes, nessas três áreas podem ser implementadas. Entre elas:

  • Desenvolver a criatividade
  • Cultivar valores e crenças positivas
  • Estabelecer vínculos sociais de confiança
  • Buscar uma comunidade com a qual se identifique
  • Desenvolver a religiosidade/ espiritualidade
  • Receber alimentação nutritiva
  • Praticar exercícios físicos
  • Ter um sono restaurador
  • Praticar o contato com a natureza e com as artes
  • Adquirir novas habilidades e conhecimentos

O material pode ser consultado e baixado diretamente no link do site Vita Alere: Cartlihas e Manuais.

Sobre o Setembro Amarelo

Setembro é o mês em que é realizada a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, sendo o dia 10 desse mês o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A campanha foi criada no Brasil, em 2015, pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Essa é uma campanha de extrema importância, uma vez que o suicídio é um problema grave de saúde pública e que, muitas vezes, pode ser evitado.

Onde saber mais e buscar ajuda:

  • CVV (Centro de Valorização da Vida) é um aliado fundamental na prevenção do suicídio. Eles têm um atendimento gratuito e sigiloso para qualquer forma de sofrimento emocional a qualquer hora do dia via telefone (188) e via chat (www.cvv.org.br).
  • Instituto Vita Alere de prevenção e posvenção do suicídio ( www.vitaalere.com.br)
  • Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio (ABEPS) internet ( www.abeps.org.br )
  • Organização Mundial da Saúde (OMS) ( www.who.org).
  • Safernet – sobre cyberbulling e segurança na internet ( www.safernet.org.br )

Veja também: USP realiza estudo sobre a saúde mental de crianças e jovens na pandemia