Técnicas de mediação para conflitos dentro de casa

avatar de Debora Hara Matalon
Debora Hara Matalon

Como está a sua comunicação em casa? Quantas vezes você tenta falar, mas não se sente escutado?

A quarentena trouxe diversos desafios para os pais. Entre o homeschooling e o homeoffice surgiram também novos conflitos e desafios da convivência. Com as famílias juntas em casa por tanto tempo, muitas vezes os desentendimentos aumentam e os diálogos ficam cada vez mais difíceis. A forma que começamos uma conversa vai ditar o seu andamento e a maneira que ela termina, a comunicação impacta no conflito agravando ou trazendo a solução.

Vamos falar aqui de algumas ferramentas usadas na mediação de conflitos que podem ajudar nesse diálogo e na convivência dentro de casa!

  1. Quando começar a conversa: Você já pensou em como se sentiria se após um dia cansativo de trabalho alguém te pegasse na saída para ter uma conversa séria? Seria desgastante, não é? É dessa forma que seu filho se sente quando, após um logo dia de aula ou depois de uma tarde intensa de atividades, você resolve buscá-lo para ter uma conversa importante. Aprender a escolher o melhor momento para uma conversa já é um bom começo.
  2. A maneira que iniciamos a conversa define como ela vai acabar: Que tal mudarmos a maneira falar as coisas? Muitas vezes ao pedir alguma coisa ou apontar algum comportamento dos nossos filhos, começamos nossa fala de uma forma negativa, por exemplo: “Filho, você nunca me ajuda, seu quarto está sempre uma bagunça!” Essa frase provavelmente vai fazer com que ele continue deitado sem fazer nada. Agora se mudamos a maneira que abrimos a conversa: “Filho, mamãe está arrumando a casa e está sendo bem puxado para mim, preciso muito da sua ajuda, você consegue me ajudar a arrumar seu quarto?” Provavelmente a reação dele será outra. Você consegue perceber a diferença da fala e a diferença do impacto que ela pode causar no seu filho?
  3. Esteja pronto para ouvir: Outro erro recorrente é a falta de escuta de ambas as partes. Estar realmente presente no momento da conversa e disposto a ouvir é extremamente importante. Seja curioso, questione e investigue a história do outro. De tempo para ele contar a sua versão da história e esteja aberto para ouvir, depois conte a sua versão. Muitas vezes já chegamos querendo impor nossas ideias ou com um pré-julgamento do que aconteceu. O segredo aqui é reconhecer os dois lados da história e tentar criar uma terceira história onde cada um tem a sua responsabilidade sobre o que ocorreu, para que com isso você cheguem juntos a uma solução.
  4. Falando dos nossos sentimentos: Um dos pontos mais interessante quando pensamos em melhorar a comunicação, é falar de nossos sentimentos. Demonstrar como nos sentimos e tentar entender o sentimento do outro pode ser o segredo para uma boa conversa. Quando nos sentimos frustrados, tristes ou não atendidos devemos colocar esse sentimento em palavras. Expor para nossos filhos como nos sentimos tristes quando eles são mal educados ou frustrados quando tentamos conversar e eles não saem do celular, pode ser um bom caminho. É importante também incentivá-los a falar como se sentem. Pergunte sempre e os faça refletir sobre seus próprios sentimentos.

Os conflitos sempre vão existir, ele pode parecer desgastante e negativo, mas ele é também uma oportunidade de conversa, de conhecer melhor seu filho e entender o que ele sente e pensa. A boa comunicação traz uma conexão saudável que terá reflexos no seu relacionamento hoje e no futuro! Vamos construir uma nova conversa?