Transpiração que inspira: lições de ​Hazel Swayne

avatar de Vivian Wrona Vainzof
Vivian Wrona Vainzof

​Hazel Swayne é uma pessoa que me inspira. A vida dela não tem muito em comum com a minha. Nos conhecemos há uns anos num café, minha sócia e eu, ela e o Marido, Iñak Escudero, para uma conversa sobre educação, enquanto os três filhos deles jogavam ipad na mesa ao lado e nos interrompiam a todo minuto, pedindo atenção. Como a referência no assunto, ali, eram eles, me precipitei em não guardar uma boa primeira impressão.

Ela é peruana, ele é espanhol, moravam em Nova York e estavam de passagem por São Paulo. Se vieram a trabalho, não era fácil dizer. A visita de três semanas era uma escala da jornada educativa que escolheram fazer com os filhos. Há meses que viajavam o mundo visitando centros educacionais renomados, desvendando as melhores tendências, enquanto se expunham às culturas do mundo. Se o ipad pode atrapalhar um projeto grandioso desse, hoje não vejo assim.

Acompanho um pouco seus passos pelo @learninggypsies no instagram. Da inveja à admiração, sempre me pergunto de onde as pessoas arrancam coragem, criatividade, sensibilidade e sensatez para largar sua estabilidade e tudo o que conhecem e acham que podem esperar, pelo gigante desconhecido. Mas depois de completar a maratona de Paris, a Hazel me dá uma pincelada do que poderia ser uma das respostas.

“Pensei que eu andaria a maior parte, mas eu corri, corri todo o percurso!!! Com meu tutor e torcedor da vida cantando e sorrindo a cada km. Iñak correu mais 40 minutos mais devagar do que está habituado, só para cruzar a linha de chegada segurando a minha mão. Quero compartilhar 8 aprendizados que servem para a vida:

  1. Iñaki sempre recomenda a qualquer um que pretende correr uma maratona pela primeira vez, que sorria. Fiquei curiosa sobre esta dica e descobri seus benefícios: sorrir de propósito altera a química cerebral e cria uma função imunizadora que diminui a pressão arterial e alivia dores. Então eu sorri por todo o caminho, principalmente quando pensei em desistir. E vou continuar sorrindo pela vida, não importa a circunstância.
  2. Abrace a raça humana. Nós vimos de tudo, de um homem cego a um avô bem velhinho e todas as possibilidades que existem entre um e outro. Todos se respeitando, se apoiando e festejando com os outros. Tire um momento para olhar ao redor e admirar as pessoas pelo que elas são.
  3. Tenha sempre um lenço à mão. Correr causa diarreia em 71% dos corredores de longas distancias. Eu fui um deles e tive que parar no km 26 num banheiro extremamente desagradável. Foi uma das experiências mais traumáticas que me lembro até hoje.
  4. O tempo é relativo. Fiquei obcecada em manter o passo e terminar a prova num bom tempo. Mas a parada para ir ao banheiro me atrasou e recomeçar foi o mais difícil. Graças ao Iñak eu superei minha obsessão pelo tempo e só assim pude retomar o fluxo.
  5. Torcer pelos outros é como uma droga para quem recebe. Não consigo explicar a sensação de chegar ao km 37, com baixa oxigenação do cérebro e os batimentos cardíacos quase entregando os pontos, e sentir nova energia com cada sorriso, cada estímulo, cada torcida, cada toque de mão das crianças. Então, por favor, torçam pelos outros sempre.
  6. O cérebro é o musculo mais poderoso! Me senti em transe. Minhas intensão era cruzar a linha de chegada e nossa intenção é o que nos leva ao resultado. Acredite.
  7. Família e amigos são nossa força. Demos o melhor de nós quando lembramos dos nossos filhos, familiares e amigos, e pensamos que fazíamos por eles. Nossas filhas Alani e Amaia gravaram mensagens para que escutássemos ao longo do percurso e foi importante saber que estavam com a gente quando precisamos.
  8. Mantenha-se hidratado e coma saudável. Seu corpo vai agradecer, especialmente quando você passar dos 40.

Agora começa o treino para o meio triathlon!...” Que sua nova intenção te leve a grandes resultados, Hazel. Estaremos esperando os seus novos aprendizados para mais inspiração.

Hazel em sua primeira maratona
Hazel em sua primeira maratona