Umbria, na Itália, com crianças: tudo fica mais fácil na natureza

avatar de Elisa Roorda
Elisa Roorda

Nosso avião pousou em Roma. Alugamos um carro e viemos direto pra nossa Villa na Umbria. A viagem levou quase 2 horas, passamos por campos de girassóis, oliveiras, parreiras e as crianças só iam ficando mais animadas com aquele cenário. Quando chegamos, os três desceram do carro e saíram correndo pelo gramado, pulando e cantando felizes! A Nina gritava: “Eu amo a Itália!”. E ela ainda não tinha visto nada da Itália. O que ela queria dizer na verdade é que amava aquele verde todo no quintal de casa. Aquele espaço, aquela liberdade, aquele ventinho no rosto, os passarinhos, as flores, as árvores, o por do sol, a lua cheia na janela do quarto e essas coisas simples e mágicas da natureza.

E assim passamos os 12 dias seguintes: cercados de muita tranquilidade e verde e com as cidadezinhas medievais mais lindas e charmosas logo ali do lado pra tomar um gelato, comer uma pizza e bater papo com as senhorinhas que ficavam na praça no final do dia. As crianças fizeram uma casa para os gnomos e colocavam comida todas as noites pra eles (que obviamente comiam e deixavam uma bagunça de manhã :). Também brincaram de casinha na árvore, de fazer fantasias com folhas e flores, fizeram arranjos de lavanda, salvaram bichinhos afogados na piscina e enterraram com muita cerimônia os que não sobreviveram, caminharam até as parreiras e roubaram uvas, cantaram muito, dançaram muito e com muita frequência sumiam por aí pra fazer sei lá o quê. Inclusive o Martin. A gente nem sabia deles por horas.

A gente teve tempo de ler, escrever, conversar, tomar um sol na piscina, comer bem, tomar vinhos maravilhosos, preparar as aulas das meninas com calma, ler histórias para as crianças, fazer caminhadas, yoga e finalmente entrar na época de frações da escola. Até isso fluiu bem, por incrível que pareça, porque a Nina foge de qualquer conta que aparece pela frente. Prefere desenhar, pintar, fazer um bolo e passar horas conversando com os bichinhos. Mas depois que entrou no mundo dos números tudo fluiu lindamente. Ela fazia uma conta e desenhava uma flor. E o caderno de matemática dela nunca foi tão lindo <3

A vida com crianças pequenas é tão mais fácil na natureza! Elas tem mais espaço, liberdade e um milhão de coisas e seres para explorar. Elas aprendem a respeitar o mundo onde vivem desde pequenas, além de ganharem autonomia e criatividade. Por consequência, nós também ganhamos mais tempo pra gente e assim a família toda flui melhor. É uma conexão profunda e simples ao mesmo tempo.

E foi assim que quase não fomos pra Roma! Nossa vida na Villa estava tão tranquila e harmoniosa que nos custava pensar em passar um dia em uma cidade lotada, barulhenta e cheia de turistas. Mas fizemos um esforço extra e no penúltimo dia resolvemos ir. Ainda bem, porque nos arrependeríamos muito depois! Sim, foi intenso, foi lotado, foi barulhento, mas não dá pra descrever aqui o impactante, imponente e forte que é Roma. A história antiga está logo ali, no meio da cidade, no nosso nariz, como se fosse tudo muito normal. Não tem como não imaginar mil histórias e se fazer outras mil perguntas. As crianças estavam tão impressionadas que no começo mal conseguiam falar. Depois dispararam um milhão de perguntas, que nos fizeram ter que pesquisar a Roma Antiga pra conseguir responder a pelo menos um terço delas.

Resolvemos deixar o carro em um estacionamento perto do Coliseu e fizemos tudo a pé. Foi a melhor decisão porque dá pra viver tudo de perto e não estressamos no transito caótico de Roma. Passeamos pela parte antiga, pela parte histórica, pelas piazzas, pelos restaurantes e pelas gelaterias. E na volta pra casa, à noite, a Sofia disse que parecia que tínhamos vivido dois dias só naquela tarde! A sensação foi exatamente essa. Voltamos todos felizes com aquela aventura pela Antiguidade.

E assim nos despedimos do “dolce far niente”, dos gelatos, das pizzas, das pastas, da simpatia dos italianos, do verão com calor de verdade e destes momentos de total conexão com a natureza. Deixo aqui algumas dicas. Mas não muitas porque o tempo foi gasto de outra maneira aqui ;-)

Próximo destino: Finlândia!

Todi
É a maior cidade antiga aqui por perto. Tem restaurantes, gelaterias e cafés maravilhosos!

Toscolano
Entre todas as mini cidades medievais, esta foi a que mais nos cativou. Parece cenário de filme. Inacreditavelmente linda e pequenina.

Roccafiori
Nos demos um almoço de presente neste lugar especial. Muito mais sofisticado que os outros lugares que fomos, mas simpático do mesmo jeito. Tivemos um almoço delicioso acompanhado do vinho que eles mesmos fazem por lá. De tão bom tivemos que levar uma garrafa pra casa para saborear em outro momento especial. O restaurante fica na beira da piscina e ao lado da plantação de parreiras deles. E a vista de Todi é sublime! E além do restaurante eles também tem serviço de hotel e spa para quem preferir ficar por lá.

Roma
Fizemos um bate volta de um dia a Roma. Chegamos um pouco antes do almoço no bairro de Trastevere, que é um pouco mais tranquilo que os bairros mais turísticos, mais residencial, mas cheio de lugares charmosos. Almoçamos, tomamos um gelato e seguimos de carro até a área da Roma Antiga. A dica aqui é comprar os ingressos antes para não pegar fila (compramos aqui: http://ticketbar.eu/en/ticketbar-europe/) e deixar o carro em um estacionamento para fazer tudo a pé. Deixamos nosso carro no Parcheggio Colosseo, um estacionamento pertinho de onde começaríamos nossa expedição aventureira pela Roma Antiga e seguimos. Passeamos pelo Coliseu, pelo Palatino e pelo Forum Romano. Logo depois seguimos caminhando para a Piazza del Campidoglio, Piazza Venezia e para o Monumento a Victor Emmanuel, que é lindo demais. Seguimos nosso caminho, com o Martin já dormindo no carrinho, para o centro histórico de Roma, para visitar a Piazza Navona, o Panteão e, lógico, a Fontana de Trevi. Apesar de lotado, não dá pra perder. As meninas fizeram seus pedidos (será que vão se realizar na Finlândia? Aguardem!) e seguimos caminhando até a Piazza di Spagna. Lá descansamos um pouco, vimos o por do sol e jantamos uma pizza em uma pracinha próxima mais tranquila. A aventura acabou às oito da noite, quando pegamos um taxi para voltarmos ao estacionamento onde estava nosso carro. Foi lindo demais passar por tudo que vimos durante o dia agora à noite, iluminado, com outra energia.

Não dá pra colocar aqui o tanto de coisa incrível que dá pra ver em Roma. Vale uns 4 ou 5 dias por lá com crianças. Mas pra gente, um dia longe da nossa Villa já estava de bom tamanho.

**

Acompanhe a aventura da Elisa com a família pela Europa!

por Elisa Roorda em viagem.

Elisa Roorda, 39 anos. Mãe orgulhosa de 3 criaturinhas: Nina, Sofia e Martin. Publicitária pela ESPM, e dona de uma carreira abandonada na área de marketing esportivo. Fundadora do Mamusca, um espaço mágico que segue funcionando nas mãos de outras fadinhas. Pregadora do livre brincar, da conexão, da presença, do encantamento pelo mundo. No momento viajando o mundo com toda a trupe.