Você já ouviu falar em reunião de família?

avatar de Lia Vasconcelos
Lia Vasconcelos

Claro que já, você deve estar pensando. Reunião de família são aqueles momentos gostosos em que nos reunimos para comemorar algo importante ou celebrar as pequenas belezas da vida, não é? Sim, claro, reunião de família também é isso! E eu digo também porque, para a Disciplina Positiva (DP), reunião de família tem ainda um outro sentido – é um encontro semanal em que todxs membrxs participam para deliberar sobre questões que dizem respeito ao todo ou a cada um/a. Tem um/a presidente, um/a secretárix e uma pauta a ser discutida respeitosamente.

Por que a DP considera as reuniões de família importantes? Porque os problemas podem ser colocados na pauta para que sejam resolvidos de forma conjunta. Nelas, as crianças têm a oportunidade de aprender e praticar sua habilidades de resolver problemas como uma família, além de aumentar a cooperação e a proximidade de todxs xs membrxs. A ideia é que ela envolva crianças a partir dos 4 anos. Um lugar pode ser combinado, por exemplo, a porta da geladeira, e nele ficará uma folha em branco onde cada um escreverá, durante a semana, as questões sobre as quais quer tratar. Se a criança não souber escrever ainda, pode pedir ajuda de um adulto.

O ideal é que a reunião de família aconteça semanalmente, sempre no mesmo lugar, no mesmo horário e com a participação de todxs. Importante: reunião é reunião! Não é para misturar com nenhuma refeição. A reunião segue um ritual: sempre há um presidente, função para a qual deve haver um revezamento (crianças são plenamente capazes de assumir esse papel a partir de 4 ou 5 anos). É responsabilidade dx presidente convocar oficialmente o evento, iniciar os reconhecimentos, começar a sessão de resolução de problemas e dar oportunidade para todxs falarem, cada um/a na sua vez.

Também é preciso ter um secretárix que faz as anotações dos problemas discutidos e das decisões tomadas, ou seja, a ata da reunião. Essa função também deve ser revezada. Daqui a alguns anos, ler as anotações das reuniões antigas pode ser tão divertido como ver um álbum de fotos! Para isso, sugiro que você guarde as pautas em uma pasta e faça a ata das reuniões sempre em um mesmo caderno.

Toda reunião começa com os reconhecimentos: cada pessoa reconhece outrx membrx da família por algo bacana que elx tenha feito naquela semana. Pode parecer estranho no começo, mas é um bom treino do olhar para enxergar o que x outrx faz de bom. Os pais podem modelar esse comportamento fazendo os reconhecimentos primeiro: pode ser desde uma atitude gentil, a um abraço na hora certa ou ainda aquela comidinha gostosa. O reconhecimento também pode ser alternado com algo pelo qual somos gratxs.

A pauta deve sempre ser seguida em ordem cronológica para que não seja preciso decidir qual item é mais importante. Ah! As decisões devem ser tomadas em consenso. Se a família não chegar a uma decisão consensual sobre algum item da pauta, ele deve ser deixado para a reunião seguinte e assim por diante até se chegar em um consenso. Muitas vezes o tempo se encarrega de acalmar os ânimos e fazer as pessoas pensarem em novas saídas para a mesma questão. A decisão consensual é importante porque transmite a ideia de que a família consegue trabalhar junta para encontrar soluções respeitosas para todxs.

A reunião de família, que deve durar de 15 a 30 minutos, sempre deve incluir a revisão das atividades da semana seguinte, o que é especialmente importante à medida em que as crianças crescem e ficam com a agenda cada vez mais cheia. Coordenar o calendário familiar é essencial. Durante o encontro, deve ainda ser planejada uma atividade divertida em família ao longo da semana seguinte ou no final de semana. Por fim, uma dica: vale terminar a reunião fazendo algo em conjunto que seja divertidx para todxs: pode ser um jogo, ou algo gostoso na cozinha.

Elenco aqui algumas das habilidades que as crianças aprendem nessas reuniões:

  • Habilidades de escuta;
  • Habilidades de proposição de ideias;
  • Habilidades de resolução de problemas;
  • Respeito mútuo;
  • O valor de se acalmar antes de resolver um problema;
  • Preocupação pelos outros;
  • Cooperação;
  • Responsabilidade em um ambiente seguro;
  • Como escolher soluções respeitosas para todxs xs envolvidxs;
  • Um senso de aceitação e importância;
  • Responsabilidade social;
  • Que erros são maravilhosas oportunidades de aprender.

Mas o aprendizado não é só dxs filhxs! As reuniões são ótimas oportunidades para mães e pais:

  • Evitarem lutas de poder por meio de um controle compartilhado e com respeito;
  • Evitarem microgerenciamento dxs filhxs, de forma que elxs possam aprender autodisciplina;
  • Ouvirem de forma que incentive xs filhxs a fazerem o mesmo;
  • Compartilharem responsabilidade com respeito;
  • Criarem boas lembranças por meio de tradições familiares;
  • Modelarem todas as habilidades que elxs querem que seus/uas filhxs aprendam.

Boa reunião!​

—> Leia todos os textos da coluna Parentalidade Positiva, assinada por Lia Vasconcelos.

por Lia Vasconcelos em colunas, parentalidade positiva.

Lia Vasconcelos é mãe de duas meninas e originalmente formada em Jornalismo e Ciências Sociais. Se encantou com os modelos da disciplina positiva e da parentalidade positiva e se certificou pela Positive Discipline Association (EUA) e pela Escola da Parentalidade (Portugal). Me encontre no @liavasco_educacao ou escreva para liavasco75@gmail.com para informacões sobre workshops.