A fotografia para ver e brincar

Lina Brochmann

* Por Drica Lobo

A fotografia desde muito cedo foi uma paixão, meu primeiro contato foi durante as minhas férias escolares aos treze anos. Lá se vão 25 anos.

Nunca me esquecerei da primeira vez que entrei num laboratório fotográfico e pude ver que de um papel branco surgiam imagens e histórias. Um mundo mágico se abriu à minha frente e através da câmera que ganhei do meu pai, pude ver o mundo e construir com ela, o meu mundo.

Hoje, depois de tantos anos, vejo o saldo que este momento mágico causou na minha vida: me tornei fotógrafa. Falo isso com muito orgulho, pois ser fotógrafa para mim significa desenhar com a luz, com os brilhos, com os reflexos e com as sombras. É estar atenta às cenas do cotidiano e perceber que uma vida é um monte de momentos ou fotografias, que juntos contam uma estória. É perceber a beleza das pessoas, independente de qualquer coisa e que, cada uma, tem a sua poesia e por trás de cada olhar, cada ruga, cada cicatriz e cada fotografia, há muitas histórias, tanto pela narrativa da cena e dos elementos contidos nela, como pelo olhar de quem conta, o fotógrafo.

Cada vez mais a fotografia tem o destaque que merece entre as Artes. Quando vamos a um Museu muitas das melhores histórias foram ilustradas por belas imagens. Quando voltamos de uma viagem sempre trazemos na bagagem uma boa foto para guardar.

Neste mundo corrido, a fotografia tem a capacidade de congelar o momento e torná-lo único e especial. Por isso, o fenômeno do Instagram e Snapchat. Lembra da máxima “uma imagem vale mais que mil palavras”? Taí o resultado nestas redes sociais.

Por isso, concordo cada vez mais com a preocupação dos educadores franceses, de modo geral, que a “estética da fotografia” deva ser ensinada desde muito cedo às crianças. Saber filtrar a quantidade de informações e saber o que uma imagem diz, se tornou fundamental para entendê-la e proteger nossos filhos de aceitar qualquer tipo de informação, sem antes saber para que ela nos serve.

Por isso pensei numa brincadeira chamada “fotografia” que fiz com as crianças durante as férias, para contar para vocês:

  • Local : Rua (ou em qualquer outro lugar)
  • Número de Participantes: 2 (até que seu filho possa brincar sozinho e você também)
  • Modo de Fazer : Ande de uma esquina até outra, prestando atenção nas coisas que você gosta. Quando encontrar algo, pisque, como se tivesse fotografando aquela imagem. Depois, conte o que escolheu e por que aquela imagem você quis guardar.
  • Preste atenção ao que seu filho vai dizer, tenho certeza de que o olhar das crianças, “limpo” e “novo”, tem muito a nos ensinar.

Bora aí e bom divertimento!

Crédito: Delphine Lotte (@thamilou)
Crédito: Delphine Lotte (@thamilou)

* Drica Lobo, é fotógrafa e idealizadora do projeto Jardins da Infância - Um guia singular para um tipo especial de educação.