A magia das árvores

avatar de Maria Manuela Moog
Maria Manuela Moog

Abrace uma árvore! Essa foi a recomendação do Governo da Islândia durante o duro período do distanciamento social. Parece que esta ação oferece uma sensação de conforto, tranquilidade e pertencimento.

Seja por conta da energia solar da fotossíntese, do ar que fica mais puro ou dos elfos que se escondem nos troncos… existe algo de mágico nas árvores! Até o mais cético dos homens deve concordar que uma árvores deixa o ambiente muito mais prazeroso.

Inspirada no dia 21 de setembro em que se comemora o Dia da Árvore proponho uma atividade artística: sair com as crianças pela sua cidade e observar uma árvore.

Parece pouco, mas olha quanta riqueza é possível neste simples ato! Monet, Cézanne, Van Gogh, Cícero dias, Tarsila do Amaral e tantos outros artistas construíram paisagens incríveis a partir desse encontro. Cada um capturou a magia das árvores da sua maneira e depois traduziram para as telas aquela energia.

A atividade é simples:

Vá com as crianças ao parque, ao quintal ou mesmo para rua onde tenha uma árvore.

Abrace árvore.

Até mesmo converse com ela.

Observe o formato das suas folhas.

O cheiro que vem delas.

Tem flores? E frutos?

Qual a altura das copas?

Você gosta do barulho que as folhas fazem quando o vento balança os galhos?

Qual é a textura desta árvore?

Vocês podem levar uma folha de papel e um giz de cera e gravar a textura do tronco, inclusive.

Ao chegar em casa, estimule as crianças a registrarem este momento. Pode ser em desenho, pintura ou em uma espécie de colagem caso elas tenham trazido algum souvenir deste encontro mágico! Tenho certeza que vão surgir coisas lindas! Boa diversão!

por Maria Manuela Moog em colunas, Arte e Percepção.

Maria Manuela Moog é graduada em Artes Cênicas, pós-graduada em Arte e Filosofia pela PUC-Rio e atualmente cursa o Mestrado na Universidade Nova de Lisboa. Se encantou pelo universo artístico aos sete anos quando interpretou um duende na peça de teatro da escola, e desde então é uma operária da arte. Acredita que pessoas interessadas são pessoas interessantes e a melhor forma de absorver experiências é pelo afeto. Por isso, procura criar e fomentar arte em todas as esferas.