Conflitos com avós sobre os cuidados com as crianças

Vanessa Skilnik

Doces fora de hora, ficar acordado até mais tarde e um pouco mais de TV do que o combinado.

Para algumas famílias, o que acontece na casa da vovó fica na casa da vovó. Para outras, descumprir as regras dos pais causam conflitos entre os avós e pais das crianças,

Segundo pesquisa da Universidade de Michigan*, quase metade dos pais relata desentendimentos com um ou mais avós, que pode até gerar restrições para o tempo de convivência. As disputas mais comuns envolvem disciplina (57%), refeições (44%) e tempo de TV/tela (36 %.) Outros assuntos espinhosos: boas maneiras, segurança e saúde, hora de dormir, tratar alguns netos de forma diferente dos outros e compartilhar fotos ou informações nas redes sociais.

“Os avós desempenham um papel especial na vida das crianças, mas eles podem ter ideias diferentes sobre a melhor maneira de criar a criança e isso pode causar tensão”, diz Sarah Clark uma das coordenadoras da pesquisa. “Se os avós contradizem ou interferem nas escolhas dos pais, isso pode impactar o relacionamento da família.”

Entre os pais que relatam desentendimentos, 40% afirmaram que os avós são muito moles com a criança e 14% que os avós são muito duros. “Os pais podem sentir que sua autoridade parental é prejudicada quando os avós são muito tolerantes em permitir que as crianças façam coisas que são contra as regras da família, ou quando os avós são muito rigorosos em proibir as crianças de fazer coisas que os pais aprovaram”, diz Sara.

Algumas discordâncias podem decorrer de diferenças entre as gerações, quando os avós insistem que “a maneira como costumávamos fazer” é a maneira correta. Novas recomendações sobre saúde e segurança infantil também podem levar a desentendimentos, como a necessidade de usar de assentos especiais ao dirigir com os netos no carro.

Quando os pais tentaram fazer com que os avós fossem mais respeitosos com suas escolhas e regras domésticas obtiveram resultados mistos: enquanto cerca de metade dos avós fez uma mudança notável em seu comportamento para ser mais consistente com a forma como os pais fazem as coisas, 17 % se opuseram. Pais que disseram que os avós recusaram tal pedido também eram mais propensos a colocar limites na quantidade de tempo que seu filho passava com eles.

“Esses achados indicam que os avós devem se esforçar para entender e atender aos pedidos dos pais para serem mais consistentes com as escolhas dos pais—não apenas para apoiar os pais no difícil trabalho de criar os filhos, mas para evitar a escalada do conflito a ponto de correr o risco de perder tempo especial com os netos.”

*A pesquisa feita nos Estados Unidos teve 2.016 respostas de pais de crianças menores de 18 anos, acesso pelo link

Imagem: Johnny Cohen/Unsplash