Copa das Copas na Casa da Tolerância

Drica Lobo

​Quando a Copa começou, eu já tinha ido com as crianças ao Museu do Futebol, feito o álbum, visto a taça, mas coisas inexplicáveis, umas memoráveis… momentos de raras emoções essa Copa trouxe para nós! Primeiro de tudo, todos juntos em casa, na rua, na escola, nos clubes, no país inteiro só falando de uma coisa: futebol.

Gostar de receber, gostar de aprender, gostar de gente e de todo tipo de gente!

Fica aqui registrado que o país é o país do futebol, não resta dúvida. Herdamos dos índios a mania por rituais, pintar a cara e assimilar o que é do outro, herdamos dos africanos a ideia de comemorar com cantos, danças. Se colocar tudo numa panela e mexer, dá nisso ... um povo aberto a torcer, comemorar, rezar e deixar a emoção superar a razão.

Vimos os favoritos irem embora e a raça, a coragem e a vontade de lutar e fazer diferença nas seleções menores. Vimos o herói do Uruguai ser derrotado por uma atitude má. Vimos todo o mundo. Vimos “os gringos” nas ruas, pedindo informações, andando de metrô junto com o povo daqui, indo para os estádios e todos torcendo juntos. Os brasileiros torcendo pelos mais fracos e vestindo a camisa do time, como um bom anfitrião faria. Vimos famílias se deslocarem e crianças terem a chance de conhecer o Brasil inteiro, verem de Manaus a Porto Alegre, experimentarem o Brasil inteiro!

A Copa trouxe de volta a alegria de sermos brasileiros e sermos um povo que vai deixar saudade em todos que vieram, conviveram, conheceram, comeram da nossa comida, cantaram, dançaram e festejaram juntos… e não vão esquecer esta Copa jamais.

Veja no Jardins da Infância a reflexão da Dra Silvia Lobo sobre aprendizados que tivemos com essa Copa, que rende uma ótima conversa com as crianças.