Londres com crianças - Encontrando o ritmo

avatar de Elisa Roorda
Elisa Roorda

Chegamos em Londres, uma cidade especial para mim, onde morei por um curto espaço de tempo há quase vinte anos. Mas preciso dizer que a chegada foi intensa. Viemos de Amsterdam, uma cidade pequena, sem filas e onde fazíamos tudo de bike, para de repente cair em uma babilônia em profusão! Achamos tudo muito cheio, agitado, grande e rápido. O que ajudou a suavizar a chegada foi o tempo maravilhoso (acreditem) com direito até a arco íris! E o bairro gostoso, tranquilo, aconchegante, com parque ao lado e casas em tons pasteis também ajudou. Fora o apartamento charmoso e cheio de brinquedos que também nos acolheu tão bem.

O encontro com a minha irmã, que estava de férias com a família, também deu uma aquecidinha no coração. Mas resolvemos logo no segundo dia nos aventurarmos em alguns passeios turísticos. As filas, as multidões, o metrô quente e lotado nos tirou completamente do prumo. Então no dia seguinte nos recolhemos. Ficamos no nosso bairro, que parecia saído do filme da Mary Poppins, e paramos para refletir sobre o que cada um precisa na sua vida para se equilibrar e se harmonizar. Foi um bom momento para conectarmos com as crianças e com nós mesmos e nos fez pensar em como é importante trabalharmos isso com os pequenos desde cedo. Entender nossas reais necessidades nos ajuda a termos vidas mais equilibradas e felizes. E foi só o começo porque esse é um exercício para o resto da vida. Não é nada fácil se conhecer profundamente de uma hora para outra, mas se começarmos desde cedo ajuda demais. E em uma viagem como esta, sem as distrações que costumamos ter no dia a dia e com essa convivência tão intensa, um mergulho profundo nestas necessidades e nas relações é inevitável.

Depois de fazermos este primeiro exercício, começamos a pensar em como colocar essas necessidades em prática sem a rigidez da rotina. Porque rotina é diferente de ritmo. A rotina é rígida e nem sempre respeita o fluxo de cada um. O ritmo é natural, orgânico, respeita as necessidades individuais e nos equilibra. E assim, cada um foi encontrando suas reais necessidades e seu ritmo. O Martin começou a dormir uma vez por dia ao invés de duas e aos poucos começou a ter noites melhores. A Nina pediu espaço para suas pinturas, leituras e trabalhos manuais. A Sofia começou a nos pedir por desafios mentais e físicos e sempre me ajuda a manter tudo em ordem e organizado. Essa é meio que uma terapia para nós duas e ajuda a harmonizar a vida de todo mundo que está em volta. O Flavio pediu por alguns momentos sozinho para caminhar, fotografar (que ele gosta e faz muito bem) e respirar. E eu achei meus momentos de corrida, yoga e escrita. E nada disso tem dia certo pra acontecer. A gente está aprendendo a se escutar, a pedir por eles e a respeitar os pedidos de todos. E aos poucos vamos organizando nossos dias ao redor deste fluxo da família, que às vezes pode estar inteira unida e às vezes pode se separar para programas diferentes.

E assim, com mais ritmo e equilíbrio, pudemos voltar para a cidade de Londres que é maravilhosa, tem mil opções de programas e continua mágica para mim. Vou listar aqui os passeios que fizemos, já adiantando que ficamos na vontade de tantos outros! Mas este foi mais um aprendizado: aproveitar com entusiasmo o que podia ser feito no tempo que tínhamos, sem a ansiedade de querer fazer mais do que o nosso fluxo natural permitia. Um tremendo desafio em uma cidade com tantas opções como Londres.

Covent Garden
É super turístico, mas vale sempre uma visita. Tem um mercado com várias opções de comidas e é um ótimo lugar para se esconder se rolar uma típica chuva londrina. Comemos em um dos tantos restaurantes que tem em volta e depois tomamos um sorvete delicioso no Venchi. Logo ao lado tem uma lojinha irresistível de brinquedos antigos (Benjamin Pollocks Toyshop) que dá vontade de comprar tudo. Os artistas de rua que se apresentam por lá, e que passam por uma cuidadosa curadoria, são muito bacanas. E para quem tem filho que ama carros e trens como o meu, vale uma passadinha no Transport Museum.

London Eye
A pedidos das meninas, um dia fomos ver Londres de cima. A paisagem é impressionante, dá pra ver a cidade inteira e é um bom começo para se localizar. Na saída ainda tem carrossel, carrinho de pipoca, carrinho de algodão doce e o rio Tamisa para ficar vendo os barcos passarem.

Caminhada do Borough Market até a London Bridge
Começamos nosso dia almoçando no Borough Market, e cada um escolheu uma comida melhor que a outra. De lá fomos caminhando até a London Bridge e nos perdemos por uma rua mais charmosa que a outra.

Portobello Market em Notting Hill
A gente ama uma feirinha de antiguidades e não podíamos deixar de ir até Notting Hill para o Portobello Market. Dá para passar o dia vendo coisas lindas e comendo outras coisas deliciosas por esse mercado a céu aberto que tem o seu melhor dia aos sábados.

Sea Life London Aquarium
Fica ao lado da London Eye e compramos um combo de ingressos achando que faríamos tudo em um único dia. Depois do meu chilique com as multidões (rsrsrsrs) resolvemos deixar o Aquário para um outro dia. E foi o melhor que fizemos. Chegamos de metrô na Waterloo Station e almoçamos lá mesmo no Natural Kitchen (onde o Fish’n Chips é delicioso!). Depois fomos para o Aquário e ele realmente nos surpreendeu. O Martin grudou nos vidros de todos os peixes e não conseguia esconder o tamanho da sua animação! O auge foi a chegada aos tubarões e raias que passavam tranquilos e pertinho da gente. Saindo de lá passamos caminhando pelo Palácio de Westminster e o Big Ben (grandes ícones londrinos) e seguimos para um parque pequeno que fica logo atrás, o Victoria Tower Gardens. Um achado para quem está com filhos pequenos! Ele tem um gramadão, um café e um destes parquinhos (Horseferry playground) que você não acredita que existem num parque público. Saímos de lá com três crianças felizes, molhadas e cheias de areia.

Primrose Hill
Este é o bairro em que ficamos e que tão bem nos acolheu. Tem um parque ao lado, menorzinho, o Primrose Hill Park, da onde se tem uma vista maravilhosa de toda a cidade quando você sobe na parte mais alta. Era lá onde eu corria de manhã e onde fazia algumas sessões de yoga. Logo ao lado, atravessando a rua, tem o Regent’s Park. Outro parque maravilhoso, cheio de jardins com cara de reis e rainhas, como dizem as meninas. Neste parque também tem o London Zoo e, se você atravessar e andar mais um pouquinho chega no Madame Tussaud (um daqueles programas que eu nunca iria, mas que fez o maior sucesso com as meninas). Neste bairro também tem as lojinhas mais lindas, os cafés mais charmosos, os restaurantes mais deliciosos e um clima de bairro tranquilo que nos ajudou a manter o equilíbrio.

Harry Potter

E para que tem filhos maiores, que amam Harry Potter, não dá pra deixar de ir até o estúdio da Warner Bros., que fica a uma hora de Londres. Neste dia fomos só as meninas, enquanto os meninos foram ao Zoológico e curtiram o parque perto de casa. É tudo muito impressionante e foi muito gostoso ver como elas já mudaram o chip. É lógico que tudo termina em uma grande loja, cheia de coisas maravilhosas e com pessoas enlouquecidas comprando de tudo e mais um pouco. Eu nem precisei dizer que não podíamos comprar nada porque nossas malas são pequenas. Passamos por aquela multidão e o único que me pediram foi para comprarmos as balinhas que aparecem no filme. Durante a viagem de volta fomos experimentando aqueles sabores estranhos e rindo adoidado.

Natural History Museum e Hyde Park

No último dia escolhemos ir a um dos tantos museus que Londres tem. Ficamos na dúvida entre o Natural History Museum e o Science Museum, já que um está ao lado do outro. Escolhemos o primeiro porque em Amsterdam já tínhamos passado pelo NEMO. Foi muito divertido para todos! O Martin enlouqueceu com os dinossauros e as meninas passaram literalmente duas horas na sala de pedras (um must aqui em casa). Logo depois fomos caminhando para o Hyde Park, que fica logo ao lado para nos despedirmos desta cidade incrível com chave de ouro. Caminhamos, passamos pelo Diana Memorial Fountain, tomamos um café, alimentamos os passarinhos, o Martin quase se jogou no lago atrás dos patos e chegamos em casa felizes. E para encerrarmos esta temporada incrível em Londres fomos comer uma pizza em um pub típico ao lado de casa chamado Princess of Wales. Não podia faltar um pub ;-)

por Elisa Roorda em colunas, Sabatico pelo mundo em família, viagem.

Elisa Roorda, 39 anos. Mãe orgulhosa de 3 criaturinhas: Nina, Sofia e Martin. Publicitária pela ESPM, e dona de uma carreira abandonada na área de marketing esportivo. Fundadora do Mamusca, um espaço mágico que segue funcionando nas mãos de outras fadinhas. Pregadora do livre brincar, da conexão, da presença, do encantamento pelo mundo. No momento viajando o mundo com toda a trupe.