Presente de dia das mães

avatar de Vivian Wrona Vainzof
Vivian Wrona Vainzof

Sem sentimentalismo, meu dia das mães foi surpreendente. Meus filhos se lembraram no sábado à noite que não tinham presente e me arrastaram até o shopping, alegando uma necessidade qualquer, que eu fingi que acreditei. Então passeamos meio sem destino, eles de orelha em pé, tentando fisgar uma vontade minha. Eu ria por dentro até que a risada escapou e eles se entregaram. Tentei contar para eles que não era importante que comprassem qualquer coisa, que o que eu queria era beijo e abraço, não só na manhã seguinte, mas sempre. Meu presente é o carinho deles sem data certa, e nada mudará isso.

Ser mãe é maravilhoso mas é preciso lembrar que os dias não são um mar de rosas. No princípio são exaustivos, depois tensos e talvez derrotados. A emoção é o que mantém a dinâmica, sempre ambígua, sempre em busca do encontro equilibrado, sempre em busca.

A maternidade pode ser o paraíso sôfrego, pode ser o arco e a flecha, pode ser uma imagem que ninguém ainda pensou, mas ela é antes de tudo falta. Lembrar disso é o melhor presente que se pode dar a uma mãe. Pode ser para a própria, ou para a dos filhos, ou para a vizinha.

Donald Winnicott, psicanalista inglês, soube desde o século passado que, se mães e pais não são perfeitos, eles são suficientemente bons e esta é a condição ideal para criação de filho. Porque “mãe não é um ser superior, mãe é uma pessoinha comum, como você e eu”, como bem disse a Vera Iaconelli numa entrevista que ouvi no rádio. E mãe falha. Se ela é calma, uma hora ou outra ela vai gritar. Se ela é organizada, mais cedo ou mais tarde ela acaba se esquecendo ou se atrasando. Mesmo a mais disposta e disponível, a certa altura, também cansa. E mesmo assim, se ela estiver agindo, na maior parte das vezes, que seja com boa intenção, os filhos poderão crescer fortalecidos e recheados de segurança e auto estima, para cair e levantar.

O mais estranho é saber que a mãe perfeita, se existisse, deixaria filhos despreparados para o mundo imperfeito e frustrante que é a vida fora do ninho.

Feliz dia das mães atrasado!