Quando é que minha vida voltará a ser como antes?

Isabel Coutinho

Desde que me tornei mãe uma pergunta ronda minha cabeça: “quando é que a minha vida voltará a ser como antes?”. E me pego sonhando com noites bem dormidas, com tardes preguiçosas de domingo vendo filmes na TV, com almoços sem interrupções e viagens sem rumo. Coisas que eu fazia com certa freqüência, antes de ter filhos. Não sei se as leitoras, alguma vez, já se fizeram essa pergunta, suspirando por dias que não existem mais. Se sim, penso que a resposta que eu encontrei para essa pergunta é um tanto dura:

“Nunca! A sua vida nunca mais será como antes! Nem agora. Nem daqui a dez anos, quando as crianças crescerem. Nem nunca mais”. (trecho da Crônica “Nostalgia”, do livro MÃE EM CONSTRUÇÃO: reflexões, angústias, desafios, Dash Editora).

Mas descobri também, que o fato da vida nunca mais voltar a ser a mesma não significa que está tudo perdido. Significa apenas que esperar por isso é uma ilusão que não nos leva a lugar algum. Depois de muito me lamentar, fui percebendo que, ao invés de gastar tempo perdida na minha nostalgia, eu deveria me dedicar a construir um novo jeito de viver. O que, nem de longe, é uma tarefa fácil. Sou mãe há 6 anos e até hoje me vejo equilibrando pratos na tentativa de me encontrar.

Construir um novo lugar para si mesma, que concilie a maternidade com satisfação pessoal é difícil e leva tempo. Mas penso que é possível quando nos debruçamos sobre nós mesmas e consultamos aquilo que acredita e quer nosso coração. Não há um jeito certo e único de ser uma boa mãe. Há o jeito de cada uma, a seu modo, construir sua própria equação.

Nesse mês das mães desejo então, a todas nós, muita força nesse difícil processo de reconstrução. Torcendo para que ele nos ajude a ficar cada vez mais próximas de nós mesmas…

Leia também: Por que é tão desafiador ser mãe nos dias de hoje?

* Isabel Coutinho é psicóloga, mãe de 2 filhos e autora do livro MÃE EM CONSTRUÇÃO: reflexões, angústias, desafios. Dash Editora.