Inhotim com crianças Acervo pessoal

Inhotim para Crianças

Inhotim

Há poucos anos visitei Inhotim com crianças, na época eles tinham 3, 6 e 8 anos. Quando escolhi o destino estava um pouco desconfiada, não sabia se seria uma viagem interessante para os pequenos, mas fiquei surpresa com o sucesso do programa.

O Instituto Inhotim é um museu de arte contemporânea e Jardim Botânico, um dos maiores museus a céu aberto do mundo. Cerca de 700 obras de mais de 60 artistas, de quase 40 países, são exibidas ao ar livre e em galerias em meio a um Jardim Botânico com mais de 4,3 mil espécies botânicas raras, vindas de todos os continentes, distribuídas em 140 hectares. Localizado no município de Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte (aproximadamente 1h15 de viagem), fica entre os ricos biomas da Mata Atlântica e do Cerrado, com paisagens exuberantes.

Inhotim é um lugar encantado, uma experiência que mescla arte, arquitetura e natureza, com obras especiais que atraem o olhar dos pequenos. Entre uma instalação e outra, as crianças correm e se divertem nos maravilhosos jardins.

Conheça algumas obras que encantaram as crianças:

As bolas flutuantes em Aço inoxidável de Yayoi Kusama (Narcissus Garden Inhotim, 2009): 750 esferas de aço inoxidável sobre um espelho d’água, que, nas palavras da artista, se comporta como “um tapete cinético”, pois o vento cria diferentes agrupamentos das esferas em meio à vegetação aquática. O efeito visual é lindo e hipnotizante!

Os “fusquinhas “de Jarbas Lopes (Obra: Troca-troca, 2002): três fuscas coloridos, originalmente amarelo, azul e vermelho, que tiveram suas latarias trocadas, resultando em três carros multicoloridos. Eles foram usados em 2002, pelo artista e um grupo de amigos, em uma viagem do Rio de Janeiro a Curitiba. No caminho, colaram adesivos nos para-brisas dos carros que encontravam na estrada, reproduzidos. Em 2007, após o restauro, os carros novamente ganharam a estrada, dessa vez de Belo Horizonte a Brumadinho, depois de percorrer as comunidades do entorno.

O Trio de esculturas em bronze fundido de Edgard de Souza (Sem título, 2000; Sem título, 2002; Sem título, 2005): silhuetas de uma figura masculina, baseadas no corpo do próprio artista que foram grupadas linearmente e sugerem um movimento contínuo.

As letras na grama de Marilá Dardot (2002): fica na galeria que tem como referência a estrutura de uma antiga olaria nas imediações do Instituto. Sem paredes, janelas ou portas, o local é um ateliê de plantio aberto para a paisagem, onde as crianças interagem com utensílios de jardinagem, terra e sementes. 1500 vasos-letra produzidos por mulheres das comunidades do entorno, ficam espalhados por lá.

A instalação True Rouge (Tunga, 1997) que reúne formas suspensas, em posições irregulares, que lembram o universo de um laboratório. Dentro de cada peça de vidro há um líquido vermelho que, dependendo da inclinação, derrama sobre outros recipientes. Visualmente impactante, com muitos detalhes para observação.

Magic Square #5 (1977): foi construída postumamente, a partir das instruções deixadas por Hélio Oiticica em textos, plantas, maquetes e amostras. O espaço público aberto mistura geometria e cores, articulando nove paredes em alvenaria, tinta acrílica, tela de arame e vidro. A presença da luz natural com as mudanças que sofre ao longo dos dias completa a obra, modificada a cada instante.

Certamente cada criança que visita o local traz um olhar único e encontra outras obras que as encantam.

Dicas para ajudar o planejamento da viagem para Inhotim com crianças.

  • Reserve 3 dias para visitar o complexo, período ideal para conhecer tudo com calma e respeitar o tempo das crianças
  • Hospede-se no munícipio para evitar as idas e vinda de BH, confira algumas opções de hospedagem.
  • Use roupas leves e calçados confortáveis para explorar o parque com comodidade
  • Carregue uma mochila com garrafinhas de água, snacks, protetor solar e casaco/capa de chuva extra
  • Aproveite o serviço de transporte interno por carrinhos elétricos, que percorrem rotas predeterminadas pelo parque, e explore cada canto dos nossos 140 hectares (pagamento adicional)
  • Mescle visitas às galerias com tempo livre para deixa-las correndo pelos jardins
  • Faça pausas calmas para almoço e lanches (e reserve mesa no restaurante)
  • Compre entradas para dias múltiplos e economize
Sobre

Divisão do espaço: São 23 galerias, sendo quatro são dedicadas a exposições temporárias. As 19 galerias permanentes apresentam obras de Tunga, Cildo Meireles, Miguel Rio Branco, Hélio Oiticica & Neville d’Almeida, Adriana Varejão, Doris Salcedo, Victor Grippo, Matthew Barney, Rivane Neuenschwander, Valeska Soares, Doug Aitken, Marilá Dardot, Lygia Pape, Carlos Garaicoa, Carroll Dunham, Cristina Iglesias, William Kentridge e Claudia Andujar. Além das exposições temporárias e permanentes, o acervo de arte contemporânea é frequentemente ativado e revisto por meio de ações, performances e publicações

Jardim Botânico: Dos 140 hectares da área de visitação, 42 são de jardins. O Inhotim também possui um Viveiro Educador e uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) com 249 hectares. A RPPN colabora de forma vitalícia para a conservação da biodiversidade, conectando o Inhotim ao sul da Cadeia do Espinhaço.Em meados da década de 1980, iniciaram-se as obras paisagísticas dos belos jardins que futuramente viriam a formar o Instituto Inhotim. Ao longo do tempo foram sendo adquiridas diversas espécies de palmeiras e árvores nativas brasileiras e exóticas de várias regiões do mundo, que se adaptaram muito bem ao local. Em 2010, a expressiva coleção permitiu o reconhecimento do Instituto como Jardim Botânico. Dentre as aproximadamente 4,5 mil espécies do acervo botânico, duas famílias se destacam: a de palmeiras (Arecaceae), com cerca de mil espécies e variedades; e a dos imbés, antúrios e copos-de-leite (Araceae), com mais de 400 espécies e formas.

Ações Educativas: Os acervos artístico e botânico do Instituto são utilizados para ações educativas, atendendo escolas, universidades e diferentes instituições do setor público e privado para aproximar da sociedade de valores como arte, meio ambiente, cidadania e diversidade cultural. Além de parcerias com escolas, prefeituras e secretarias municipais e estaduais de educação, desenvolvimento social e saúde, também são oferecidas gratuitamente visitas mediadas educativas para o público em geral, que acontecem em horários e locais preestabelecidos.

Onde comer:

Há opções de lanches rápidos a pratos mais elaborados. O Restaurante Tamboril possui um ambiente agradável e integrado aos jardins com variado buffet de saladas e pratos quentes a preço fixo e mesa de sobremesas com doces diversos.

O Restaurante Oiticica oferece refeições self-service a quilo, e o menu inclui saladas e opções de caçarolas quentes.

O Café das Flores, na recepção do Inhotim, oferece um pão de queijo especial da opções de lanche e almoço.

O Café do Teatro oferece diversas opções de bebidas quentes e geladas, sanduíches, salgados e doces.

Reconhecido como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Governo de Minas Gerais em 2008, o Inhotim é uma entidade privada, sem fins lucrativos, mantida com recursos de doações de pessoas físicas e pela bilheteria e realização de eventos. Idealizado desde a década de 1980 pelo empresário mineiro Bernardo de Mello Paz, do solo ferroso de uma fazenda da região nasceu, em 2006,

O ESPAÇO ESTÁ FECHADO DURANTE A PANDEMIA, FAÇA UM TOUR VIRTUAL PELO LOCAL!

Programação fornecida pela produção/estabelecimento e sujeita à alteração. Confirme antes de sair de casa.

Horários
Ter a Sex
das 09h30 às 16h30
Sáb e Dom
das 09h30 às 17h30
Às quartas-feiras (exceto feriados), a entrada é gratuita. Compre ingressos antecipadamente pelo site.
Inhotim
Brumadinho, MG
Brasil
abrir no GoogleMaps website do passeio
Valores
R$ 44,00 Inteira. Meia-entrada válida para estudantes identificados, maiores de 60 anos e parceiros. Crianças de até cinco anos não pagam.
Idade recomendada